Glicogênio

Kit Só Escola Autismo

O glicogênio ou glicogênese é um polímero de glicose que funciona como reserva desse mesmo açúcar em animais principalmente nos músculos e no fígado, ou seja, o glicogênio é feito através de uma molécula de glicose ligada à outra.

A formula geral desse componente é (C6H10O5)n o mesmo é de suma importância para a formação de energia para o nosso corpo através dos carboidratos que são consumidos no dia a dia, vamos imaginar o nosso corpo, nosso organismo produz uma espécie de reserva de energia conhecido como glicogênio ou “amido animal” que é armazenado quando nos alimentamos de um carboidrato, como o arroz, por exemplo, esse carboidrato é transformado em glicose que fornece a energia.

Portanto, a glicose é um componente fundamental para a produção de energia para o nosso corpo, apesar de possuir grandes substancias, é visto como um carboidrato simples advindo dos monossacarídeos.

Apesar de simples, se a consumirmos de forma exagerada, a taxa de glicemia consequentemente aumenta, podendo ocasionar alguns riscos a saúde.

ESTRUTURA E FUNÇÕES DO GLICOGÊNIO

É de suma importância conhecer a estrutura e as funções do glicogênio, como mesmo vimos, o glicogênio é um tipo de polímero natural ramificado construído por moléculas de glicose, veja o exemplo na imagem abaixo:

ESTRUTURA E FUNÇÕES DO GLICOGÊNIO

A imagem representa a parte estrutural do componente, revestido por inúmeras moléculas de glicose, a sua parte funcional está muito ligada à função de garantir energia através da molécula de glicose para todo o corpo, como citado acima, a sua principal reserva está situada nos músculos e nas chamadas células hepáticas. Vamos ver a sua principal ação:

  • Células Hepáticas: Nas células Hepáticas age como uma figura essencial de regularizador dos níveis de açúcar no trato sanguíneo, assim, no processo de diminuição da glicose no sangue, possibilita que o glicogênio seja esmiuçado e consequentemente convertido na molécula de glicose, portanto quando os níveis de glicose estão alterados, essa mesma glicose passa por um processo de armazenamento até virar um glicogênio reserva.
  • Células Musculares: Já nas células musculares, o glicogênio tem como principal função de fornecer energia durante alguma atividade muscular ou em um período de estresse extremo, esse processo ocorre quando a molécula de glicose é jogada no sangue através de exercícios físicos musculares.

Não deixe de ver também: Ciclo Celular e suas Fases.

SÍNTESE DE GLICOGÊNESE

A síntese de glicogênese consiste em pegar moléculas de glicose e acrescentar a um glicogênio pré formado, assim, primeiro é necessário energizar a molécula de glicose para que a mesma possa ser acrescentada ao glicogênio e consequentemente obter o controle da insulina no sangue.

Nesse ínterim, quando comemos algum carboidrato, esse mesmo carboidrato faz com que a taxa de glicose no sangue seja elevada, o pâncreas percebendo a situação, libera a insulina, e consequentemente o glicogênio síntese é liberado para cumprir o seu papel no organismo, possibilitando que a glicose inicial seja transformada no próprio glicogênio fosforilase.

Veja o esquema abaixo para o melhor entendimento de todo processo da glicogênese:

Forma-se uma molécula de glicogênio > através de moléculas consideradas simples >processo esse em que se dão quando os níveis de energia da glicose estão alterados > Portanto, na glicogênese, há o processo de deslocamento dos resíduos da glicose > esses mesmos resíduos se conectam em grupos de hidroxila contidos nos resíduos da glicose e esses resíduos podem ser encontrados em fragmentos periféricos.

Assim, diante desse processo há a estabilidade da glicogênese a partir da síntese glicogenia vista acima.

Portanto, a glicogenólise, é o caminho a qual há a degradação do glicogênio, esse fator só ocorre quando é detectado baixos níveis de energia na célula, assim, acontece o processo de remoção de alguns resíduos de glicose.

METABOLISMO DO GLICOGÊNIO

O glicogênio é visto em maior quantidade no fígado chegando a conter 6% do componente no órgão, claro, depois de uma alimentação rica em carboidrato, e nas células musculares (miócitos) por volta de 0,7%.  O corpo humano é tão fantástico, que o fígado tendo a maior quantidade estocada desse componente, compartilha com outros órgãos e células do corpo humano.

METABOLISMO DO GLICOGÊNIO

Já os músculos são bem “egoístas”, pois armazenam o glicogênio para si próprio, não compartilhando com outros órgãos importantes.

Portanto, a produção e a degradação do glicogênio no fígado são de suma importância, pois a partir deles as reais necessidades do organismo são supridas, e nesse caminho, consegue-se manter a glicemia durante todas as refeições.

Já na parte da musculatura, esse processo de síntese e degradação ocorre apenas para atender as principais necessidades do tecido, principalmente quando há a realização de alguma atividade física de alta freqüência, o músculo capta a mensagem que necessita buscar na reserva do glicogênio um pouco de energia.

Veja também: Dissacarídeos

VOCÊ SABIA?

  • Você sabia que o útero também possui uma reserva de glicogênio? Isso mesmo, ele é usado como fonte de energia para o desenvolvimento do embrião durante o período gestacional, mas, é encontrado em menor quantidade em vista dos outros lugares do corpo, como o músculo e o fígado.
  • Esse componente é visto em menor quantidade também no cérebro na parte dos astrócitos.
  • A degeneração do glicogênio ocorre quando há a regulação do glucagon (hormônio produzido pelo corpo pelas células do pâncreas) o glucagon produz o efeito contrario da insulina, ou seja, ele consequentemente aumenta o açúcar no sangue, assim, esse fator pode ocorrer em períodos de jejum, quando a taxa de glicose está muito baixa no sangue, e a secreção do glucagon eleva alertando a necessidade de produção de energia reservada no organismo pelo glicogênio.
  • Você sabia que uma molécula de glicogênio pode conter cerca de 60000 resíduos de glicose.
Kit Alfabetização Só Escola
TURBINE O APRENDIZADO DO SEU PEQUENO! Com o KIT SÓ ESCOLA seu filho ou aluno vai reforçar e/ou acelerar o processo de alfabetização. São centenas de atividades educativas lúdicas e atualizadas.