Walter Benjamim

Kit Só Escola Autismo

Walter Benjamim foi um dos maiores intelectuais do século XX e não é por menos, foi considerado teólogo da filosofia, grande representante da sociologia, tradutor alemão, mas gostava de ser reconhecido como um grande crítico literário, o mesmo trouxe diversas discussões relevantes dentro do campo artístico, suas obras de grande importância não só trazia nuances  literárias ,mas  diversos textos sobre a estética dentro da filosofia e a área da comunicação no campo  da sociologia.

Benjamim viveu a virada do século 19 e 20 e vivenciou grandes crises mundiais, contribui com grande êxito para a teoria estética, histórica, política e filosófica, e por esse fato, algumas das suas obras mais famosas foram reconhecidas na escola de Frankfurt, dentro desse circulo social, Benjamim concebeu grandes amizades, como Theodor Adorno que mais tarde foi o grande responsável por publicar algumas das suas obras.

Com todas essas perspectivas, o filósofo e crítico literário teve grande influência do romantismo alemão e também da corrente marxista, era um grande seguidor do judaísmo.

Vamos conferir uma pequena biográfica do ensaísta crítico literário?

Biografia de Walter Benjamim

Biografia de Walter Benjamim
Walter Benjamim

Walter Benjamim nasceu no dia 15 de julho de 1892, em Berlim, e veio a falecer no dia 26 de setembro de 1940, em Portbou- Espanha nasceu em um contexto familiar judaico com pais comerciantes, Paula Schönflies e Emil Benjamim eram donos de um antiquário.

Já na fase da sua adolescência começou a sentir fortes influências dos segmentos socialistas, isso ocorreu devido a sua matricula em um internato em Turíngia, e foi nesse momento, que conheceu Gustav Wynecken, o mesmo foi pedagogo e o apresentou a um movimento de Jovens, movimento esse que tinha como principal objetivo de reformar todo o sistema educacional da Alemanha.

No ano de 1913, o filósofo começou a publicar suas principais ideias, denominada por ele de “pseudônimo de Aroob”, no mesmo ano, ingressou na universidade Albert-Ludwig de Friburg, em Brisgóvia, a qual se dedicou ao estudo da filosofia e com ela o campo Neokantiana, cada vez mais admirado pelo conhecimento obtido, resolveu começar os estudos na lógica, em Berlim, com todo seu comprometimento, foi concebido o cargo de presidente do grupo chamado de ”Estudantes Livres”.

No ano de 1914, Benjamim percebe que o grupo começa a apoiar os ideias da primeira guerra mundial, e por esse fato, retira-se, rompendo definitivamente com o movimento em 1915.

No mesmo ano mencionado, Walter começa a se interessar pela política de esquerda e se aprofundar nos ensinamentos do judaísmo, isso ocorreu pelo fato de ter criado um grande laço de amizade com Gershom Scholen.

Já no ano 1917, sua vida ganha uma grande reviravolta, conhece Dora Pollak, foi conhecida como militante de alguns movimentos políticos, e com ela, teve apenas um filho, chamado Stefan, no mesmo ano o filósofo decide ir para a suíça e dar continuidade aos seus estudos na universidade de Berna e com a produção do seu doutorado o defende com o seguinte tema: “O Conceito da Crítica de Arte no Romantismo Alemão”, e nessa passagem conhece o filósofo marxista Ernst Bloch.

No ano de 1920, finalmente retorna a sua cidade, Berlim, é a partir desse momento que começa a escrever suas principais obras “A Forma do Drama Barroco Alemão.”, no ano de 1925.

Mas, como tudo não são flores, infelizmente a sua tese de docência foi rejeitada pelo Departamento de Estética na Universidade de Frankfurt.

Com essa desilusão, Benjamim começa a ganhar a vida com suas teses, e no ano de 1933 a situação se agrava, os judeus e comunistas passam a ser alvo do regime nazista, com esse contexto, Walter não viu outra a saída e fugiu para a Itália entre os anos de 1934 e 1935.

Walter refugiado teve grande oportunidade de torna-se bolsista na Escola de Frankfurt, no instituto nacional de pesquisa social, com essa bolsa, passou a fazer parte das atividades diárias do local.

Infelizmente em 1939 é preso juntamente com milhares de judeus, mas felizmente conseguiu fugir com o auxilio de alguns amigos, mas é achado novamente em Pirineus, no ano de 1940.

Já no mesmo ano, inconformado com todas as tragédias, veio a falecer com 48 anos de idade, tomando uma dose letal de morfina, na Espanha na cidade de Portbou.

Veja também:

Walter Benjamim

Como mesmo podemos ver, a vida de Benjamim foi repleta de conhecimentos e reflexões, tanto que suas principais ideias e obras podem ser entendidas em duas fases, a sua fase jovem, a qual estava adentrando ao pensamento socialista e com ela o idealismo, e na sua fase mais madura, fase essa a qual começa a seguir os segmentos revolucionários e utópicos.

 Alguns estudos apontam que Benjamim não desenvolveu teorias filosóficas, e sim, apenas analisou o marxismo e as filosofias burguesas.

O filósofo entendia as duas filosofias como processos importantes na construção do Historicismo, Historicismo esse visto na burguesia sobreposta aos trabalhadores, ou seja, a luta de classes, tanto em que sua famosa obra “A obra de Arte na Era de sua reprodutibilidade técnica”, tece grandes criticas ao capitalismo e a ideologia burguesa.

Benjamim teve grande influencia de pensadores que serviram de base para os seus pensamentos, como Karl Marx, Marcel Proust, Charles Budelaire, umas das teorias mais importantes foi no campo da arte, Benjamim identificava a obra artística como uma espécie de bagagem repleta de conteúdo e principalmente possuía significados importantes, como o contexto da sua criação e as marcas da passagem do tempo.

Para ele, as cópias das obras originais podem até representar certa perfeição, mas não é a mesma originalidade da verdadeira, para ele, a autenticidade não pode ser copiada ou reproduzida, é única, é nessa reflexão que surge o conceito aura, que veremos a seguir.

A AURA

Para entendermos melhor a termologia, a aura é um termo conhecido entre os religiosos e os místicos, em geral, é como um campo energético que envolve os seres vivos, Walter se apropriou do termo para tratar da experiência que temos diante de uma obra de arte.

A palavra foi utilizada em duas obras do filósofo, em “pequenas histórias da fotografia” e a principal, “a obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica”, ele entendia que as pinturas possuíam uma áurea justamente pelo fato de conter autenticidade, são únicas pelo fato de possibilitar enxergar os traços do pincel do artista, tocar, sentir, cheirar.

Na obra pequenas histórias da fotografia, o conceito aura é destacado em seu aspecto autentico, benjamim faz uma reflexão de como as fotografias antigas eram reproduzidas sem nenhum meio especifico e técnico, ou seja, uma forma única, diferentemente das fotografias modernas.

O filosofo conclui que a aura não pode ser reproduzida, copiada, é única, a mesma não se reduz a técnica, ela parte de um conceito, de uma história.

Recomendamos também a leitura deste artigo: Utilitarismo.

Principais Obras

Infelizmente Benjamim não publicou tantas obras durante a sua vida, poucas foram reconhecidas como periódicos:

  • A tese de doutorado: “O conceito de Critica de arte no romantismo alemão.” 1919
  • “Origem da Tragédia alemã.”, também tese.
  • O “Tomo”, publicada em 1928, contem as principais reflexões e ensaios.
  • Pequena história da fotografia (1931)
  • “A obra de Arte na era de sua reprodutibilidade técnica.” 1936
  • “Teses sobre o conceito de historia.” (1940)      

A TÍTULO DE CURIOSIDADE

Walter morreu apenas com 48 anos de idade, o grupo a qual o mesmo fazia parte estava fugindo por serem alemães comunistas e ao mesmo tempo judeus, fugindo do período nazista de Hitler.

Alguns estudos apontam que Walter foi parado em uma blitz, e por esse fato teria se matado, mas por fim, foram liberados a continuar, com esse cenário fez com que a obra dele ganhasse grande notoriedade entre os intelectuais da grande escola de Frankfurt.

Veja o artigo recomendado: Górgias de Leontin

Principais citações

“As doações devem atingir tão profundamente quem as recebe a ponto de causar-lhes espanto.”

“A informação só tem valor no momento em que é nova.”

O tédio é um tecido cinzento e quente, forrado por dentro com a seda das cores mais variadas e vibrantes. Nele nós nos enrolamos quando sonhamos.”“Uma das principais tarefas da arte sempre foi criar um interesse que ainda não conseguiu satisfazer totalmente.”.

Conteúdo original, não se esqueça de referenciar: Disponível em: < https://resumos.soescola.com/filosofia/walter-benjamim/ >

Kit Alfabetização Só Escola
TURBINE O APRENDIZADO DO SEU PEQUENO! Com o KIT SÓ ESCOLA seu filho ou aluno vai reforçar e/ou acelerar o processo de alfabetização. São centenas de atividades educativas lúdicas e atualizadas.